RUA CASSIMIRO DE ABREU Nº350 - PORTA DO CEU

AQUI A PALAVRA DE DEUS É VIVA

A viúva de Naim (Lucas 7:11-15)

 

Talvez na mesma situação que você ou até pior, certo dia uma mulher, viúva, da cidade de Naim fazia a ultima caminhada ao lado de seu filho. Mas ele já não caminhava com ela, pois estava morto e era carregado em um esquife para sua ultima morada.

Uma mulher enterrar o filho não é muito anormal, mas aquela mulher havia enterrado seu marido, era viúva e ao enterrar o seu filho ela estava enterrando o seu sonho de uma vida melhor, de não passar o resto de sua vida mendigando a caridade e a ajuda dos outros.

Algumas pessoas caminhavam com ela, choravam do seu lado e nada mais que isso podiam fazer, além de oferecer um ombro amigo, uma palavra amiga... Mas isto não resolvia o problema daquela viúva.

De repente, aquela mulher nota que vem em sua direção, em direção ao enterro de seu filho, uma grande multidão, todo mundo alegre, sorridente, felizes, um cenário que contradizia com seu sofrimento e futuro incerto. Mas a frente daquela multidão vinha Jesus, o filho de Davi, logo Ele que tem o poder sobre a vida e a morte. Lendo a amargura mais profunda do coração daquela viúva, o mestre está a ponto de proporcionar a ela o encontro que mudaria para sempre sua vida.

No contexto histórico, precisamos entender que aqueles dois cortejos, um triste e um alegre não poderiam se encontrar, pois a tradição mandava que a multidão que seguia Jesus devia se condoer com a viúva e seguir com ela para o enterro do seu filho. Jesus quebra a tradição, pára o cortejo fúnebre, chama o rapaz de volta a vida e o devolve a sua mãe, que passa agora a derramar lágrimas de gratidão. Não saia do caminho meu irmão, minha irmã, pois o Senhor está vindo nele, Ele vai ressuscitar seus sonhos e restituir tudo que o inimigo roubou em sua vida.